Frequência e Visualização Criativa para Atrair o Amor


Âmbito Amoroso e Lei da Atração

Quando a solteirice vem acompanhada da convivência de pessoas que estão num relacionamento: amigos, parentes, colegas de trabalho ou de faculdade que questionam o fato de uma determinada pessoa está sozinha ou mesmo quando alguém está numa relação sem perspectiva e infeliz é comum que esta estacione seus pensamentos na falta e isso não contribui positivamente para que o cenário mude. A palavra lei gera em nós um sentimento ligado ao campo da razão e não da emoção, por isso esta é muito eficaz. Motivados apenas pela emoção momentânea nos deixamos levar pelo periférico e a superfície não é o ambiente onde nossa essência tem raízes. 

O apego à idealização de vida perfeita que as pessoas que mais convivemos entende não deve ser usado jamais como parâmetro para direcionamos nossa vida, pois a necessidade de atender as expectativas dos outros e do nosso ego nos aproxima da ansiedade e nos afasta consequentemente da realização. Não seja a pessoa que corta o laço e inaugura a corrida interna do outro, pois cada um de nós terá seu momento certo e isso não haver unicamente com idade, mas sim com nível de consciência, maturidade emocional e espiritual. O papel de cobrador já está ocupado pelo ego de cada um, fato que já deveria inibir a falta de bom senso de quem quer que seja. Está solteiro não deve ser carimbo de infelicidade, assim como está com alguém não é de felicidade. 

Enquanto escrevo esse texto muitas pessoas estão em relacionamentos vazios usando a máscara da felicidade por medo da crítica de quem elas julgam importante passar uma imagem de vencedor e com essa atitude o amor vai ficando para trás como quem acena numa despedida na estação do trem.  Fingir que está tudo bem para não receber critica é fortalecer o medo. A lei da atração precisa de uma brecha e esta reside na decisão que devemos tomar todos os dias que tem como base central o amor-próprio. 

O amor é a nossa parte mais pura e se ele não existisse em nós mesmos jamais atrairíamos esse sentimento de quem quer que seja, pois o amor precisa de compatibilidade para germinar. Quando vibramos amor damos um comando ao universo que isso é o que queremos para nossa vida. Aqui na Astral Cigano temos uma postagem sobre esse assunto que vale apena conferir disponibilizada no vídeo “Celebre o Amor”. Pessoas que torcem pelo termino do relacionamento de outras ou mesmo que trabalham para que isso ocorra tendo atitudes para manipular situações desastrosas estão diretamente plantando uma semente de maldade no terreno de sua própria vida. 

A recomendação de hoje é trocar o sentimento de escassez, inveja, rancor, ciúme, desespero e da mentalização negativa pela visualização criativa. Essa técnica consiste em você direcionar sua visão para aquilo que deseja para si mesmo, hoje estamos falando do âmbito amoroso, mais você pode aplicar de modo amplo: saúde, financeiro, profissional, relacional, etc. 

Troque o olhar negativo pelo vibrar positivo: elogie casais que estão de mãos dadas, fale para eles como acha bonito uma relação de presença amorosa, vá a casamentos, brinde a felicidade mesmo que nem conheça profundamente os envolvidos e quando o sentimento de inveja visitar seus pensamentos faça uma oração e se perdoe. O objetivo da visualização criativa é dar um comando ao universo abrindo espaço para que a lei da atração atue. O vídeo correspondente a essa postagem está em nosso canal no youtube.

Exercício Magnético:

Eu sou merecedor (a) de todo amor que existe. Eu celebro todos os casais que nesse momento estão em paz e em presença amorosa. Eu brindo o momento que meus pais decidiram em ato que minha existência era bem-vinda. O divino banha meu relacionamento comigo mesmo (a) com a sacralidade da dignidade. Estou pronto (a) para compartilhar todas as coisas boas que transbordam em mim com um parceiro (a) que esteja vibrando nessa frequência. 
Autoria: Cigana Mah 🌷
_________________________________________________
Oráculista na Consultoria: Astral Cigano



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo